segunda-feira, 13 de janeiro de 2014

Andorinhão-velho-da-cascata

Nome Científico: Cypseloides senex (Temminck, 1826)
Andorinhão-velho-da-cascata 

Verão na serra gaucha. Numa cachoeira no interior de Ana Rech por essa época aparecem os andorinhões.
Fiquei encantada com essas aves. Elas voavam rápidas ao redor da cachoeira e pousavam nas paredes do precipício que forma a cachoeira.
 Descobri que não são andorinhas, mas andorinhões,  encontrados em muitos lugares do mundo. Alimentam-se de insetos em pleno voo. Elas constroem seus ninhos em cavernas ou penhascos.
Podem medir até 25 cm. O curioso é que são aves monogâmicas podendo ficar a vida toda com a mesma companheira.
Por terem os pés pequenos, não pousam em fios como as andorinhas.
O ninho é elaborado com saliva para unir musgos, barro, fibras vegetais, assim é mais fácil fixá-lo em paredões, em grutas ou cascatas.
Suas asas são especiais, inclinadas para trás, permitindo voos rápidos e ágeis.
Seu bico é curto e a boca é larga  possibilitando a caça durante o voo. Devido a grande velocidade de voo, suas narinas  tem o formato turbilhonado que impede o afogamento da entrada rápida de ar.



Os andorinhões possuem o quarto dedo (hálux), ausente em muitas aves, o hálux está disposto para a frente, facilitando fixarem-se em paredões. Esta disposição dos dedos chama-se pamprodactilia


video

Nenhum comentário:

Postar um comentário