terça-feira, 29 de dezembro de 2015

Coruja-do-mato

Coruja-do-mato

Nome científico:  Megascops choliba 


Hoje de manhã tivemos uma surpresa ao avistarmos duas corujas empoleiradas em uma árvore em frente à casa. 

Como são aves noturnas, vê-las de dia é uma surpresa! Estavam descansando. No verão ouvimos seu piado acelerado na mata, mas dificilmente as avistamos.
Elas medem em torno de 25 cm, possuem olhos amarelados. Sua plumagem é rajada e uma característica marcante são as "orelhas" formadas pela plumagem da cabeça.









POR NÃO SE SENTIREM INCOMODADAS FICARAM A MANHÃ INTEIRA DESCANSANDO!







sexta-feira, 18 de dezembro de 2015

Tico-tico


Sempre procurei evitar fotos de ninhos de aves, mas este que publico é de um pássaro muito comum, o tico-tico, que aproveitou a cavidade de um tronco em frente a casa. Percebi e fotografei a uma distância razoável, a partir do sótão, e bem camuflada para não interferir nesse ciclo vital da vida das aves. 








São três filhotes e nesta filmagem podemos observar o capricho da ave ao recolher o excremento do filhote.

Devemos sempre evitar o registro de fotos de ninhos, para não prejudicar o desenvolvimento da ninhada, ou mesmo o abandono do ninho pela ave. Fotos de ninhos são polêmicas e muitos sites bloqueiam essas fotos, principalmente os sites do exterior. Concursos de fotografias também não aceitam esse tipo de foto para não incentivar essa prática, considerada antiética, por isso temos que ter muita cautela quando encontrarmos ninhos, não podemos interferir nas atividades das aves, sob pena de prejudicar esse processo, pois muitas aves abandonam os ninhos ao sentirem a interferência humana, além de estressá-las.

Abaixo transcrevo  o código de ética  dos Observadores de Aves do WikiAves

Respeite o processo de reprodução das aves

  • mantenha a distância adequada de ninhos, colônias de nidificação, dormitórios, arenas de exibição ou locais importantes de alimentação. Nestas áreas sensíveis, se for indispensáveis uma observação demorada, filmagem, fotografia ou gravação sonora, tente usar um anteparo ou esconderijo, tirando proveito da cobertura natural. A sua aproximação descuidada pode causar danos irreparáveis;
  • mantenha a distância mínima dos ninhos e colônias de nidificação e arenas de exibição, como mencionado no item anterior;
  • não realize playbacks próximo a ninhos;
  • permaneça o mínimo de tempo possível, caso sua presença seja percebida pela ave;
  • jamais toque em ninhos, ovos ou filhotes, nem altere a camuflagem dos ninhos, incluindo a vegetação de seu entorno;
  • evite ao máximo utilizar flashes para registrar filhotes, aves chocando ou alimentando seus filhotes;


sábado, 5 de dezembro de 2015

Gavião-Carijó

O gavião-carijó, ou gavião-pega-pinto é o terror dos galinheiros, como seu nome diz, pode ser encontrado à beira de estradas ou nas proximidades da zona urbana. Este foi encontrado numa mata próximo à Ana Rech. 

Nome Científico: Rupornis magnirostris

Família: Accipitridae

Mede de 30 a 40 cm de comprimento

Sua cauda é curta, suas asas são compridas e largas. Seu peito claro é carijó, por isso o seu nome. 






 Sua vocalização chamou a atenção



domingo, 29 de novembro de 2015

Beija-flor-de-papo-branco

As flores do cipó pente-de-macaco (Pithecoctenium crucigerum) estão espocando nesta época, alimento muito procurado pelos beija-flores, principalmente o beija-flor-de-papo-branco.




Flores do cipó pente-de-macaco (Pithecoctenium crucigerum) 



As flores, em forma de tubos claros no exterior e amarelo no interior, se abrem em 5 pétalas na extremidade. O beija-flor apoia-se nessas pétalas com suas minúsculas patinhas  e suga o néctar  com seu bico comprido na parte em que o tubo forma um calombo.




Beija-flor-de-papo-branco


vídeo mostrando as peripécias do beija-flor sugando a flor tubular.

quarta-feira, 18 de novembro de 2015

Bico-grosso

Bico-grosso
Nome Científico: Saltator maxillosus
Família Thraupidae

 O gênero Saltator possuem 8 formas no Brasil, todas semelhantes, na qual pertencem o trinca-ferro e o bico-grosso.

Seu bico é grosso, amarelo na base. O macho tem o dorso cinzento com o peito em tons ferrugem. A  listra superciliar é branca, margeia o olho  a partir da base do bico. A fêmea é distinta com dorso verde, bico escuro.  Garganta mais clara margeada por faixas escuras.



Alimenta-se de frutos, insetos, sementes, flores e folhas. Costuma frequentar comedores de quirera de milho.
No período da reprodução vivem em casais. Em duas semanas 3 ovos são incubados, podendo ter duas ninhadas por estação.

Este casal  apareceu na janela da garagem e acredito que o reflexo do vidro o faz voar até ele.






O macho do bico-grosso





A fêmea

quarta-feira, 11 de novembro de 2015

Curruira

Nome Científico:  Troglodytes musculus

Também conhecida como cambaxirra.
Esse pequeno pássaro, de 12 cm, é muito conhecido, adapta-se bem em ambientes urbanos. É onívoro, como insetos e frutos. Pode ser encontrado solitário ou aos pares. Seu ninho pode ser em qualquer cavidade, onde põe 3 a 4 ovos. 


Observada no domingo, dia ensolarado , 8 de novembro de 2015

segunda-feira, 9 de novembro de 2015

Suiriri

Suiriri
Nome Científico: Tyrannus melancholicus

Comprimento: 21 cm
Plumagem: Uma característica marcante é o peito amarelado, com dorso e asas cinzentas.

Alimentação: Captura insetos em pleno voo a partir de um puleiro alto. Alimenta-se também de frutas.
 Pode ser encontrado solitário ou em casais.

Essa ave pode ser  encontrada em ambientes urbanos com arborização 

O suiriri fica num puleiro alto observando ao redor
Fios também são usados como puleiro





Essa ave é migratória, aparece nessa região no inicio da primavera.

Sabiá-do-campo

Sabiá-do-campo
Nome Científico: Mimus saturninus
Comprimento: 26 cm
Plumagem: Uma caracteristica marcante é um traço escuro sobre o olho, destacado pela plumagem mais clara acima desta.

Alimentação: No seu repertório inclui frutinhas, que engole inteiras e as sementes são expelidas intactas, sendo por isso um grande dispensor de sementes. Captura insetos em voo. Também forrageia no chão a procura de cupins, formigas etc..

Costumam se encontrados em casais ou bandos.

Reprodução: 3 a 4 ovos são incubados por 11 a 14 dias.

Essa ave encanta pelo seu canto. Arrebita constantemente a cauda comprida com as pontas claras. A diversidade de seus cantos incluem imitação de outras aves, por isso é considerado o melhor imitador de outras aves.





terça-feira, 3 de novembro de 2015

Surucuá-variado

Que maravilha acordar de manhã com o canto do surucuá, pássaro de fácil visibilidade, principalmente pelo seu peito rubro que se destaca nos galhos das árvores. Também se destaca entre as folhagens pelo seu tamanho, o surucuá tem uns 30 cm de comprimento. Um canta e outro, longe dali replica o canto.


Nome Científico: Trogon surrucura




Tico-tico

O tico-tico é tão comum nos ambientes urbanos que vê-los nas matas nos lembra que são aves nativas que se adaptaram ao homem. Às vezes são confundidos com os exóticos pardais (originários do Oriente Médio). Tiras negras sobre o cinza, marcam sua face, rodeada com um pala cor de ferrugem. 

Nome Científico: Zonotrichia capensis
Comprimento: 15 cm

Tico-tico na mata, este ficou muito tempo no galho da árvore, cantando e observando.
O tico-tico fêmea não possui o topete do macho

 Tico-tico frequenta comedouros, disputando com outros pássaros farelo de milho
Facilmente é encontrado no chão, seu ninho também é próximo ao chão

quarta-feira, 28 de outubro de 2015

Gralha-azul

A gralha-azul tem um papel muito importante na natureza, associada as florestas de araucária,  pois  disseminam esse pinheiro, pelo seu hábito de enterrar os pinhões no outono para comer mais tarde. Nem sempre  encontram a semente estocada, que brota e transforma-se num novo pinheiro.
Nome Científico: Cyanocorax caeruleus
Família: Corvídeos
Comprimento: 40 cm
Plumagem: cabeça, parte da frente do pescoço e do peito é de cor preta, o restante do corpo tem plumagem azul. As fêmeas são pouco menores do que os machos, mas com a mesma plumagem. 
Alimentação: insetos, invertebrados, frutos e pinhões.
Reprodução: de outubro a março constroem ninhos na parte alta das árvores, onde são postos 4 ovos.




Esta foi avistada na manhã nublada do dia 27 de outubro, depois de uma noite de chuva.

segunda-feira, 26 de outubro de 2015

Rolinha-roxa

A rolinha-roxa é uma espécie nativa, mas está adaptada a ambientes urbanos. O macho apresenta o corpo num tom mais avermelhado com pontos pretos nas penas e a cabeça em tons azulados. A fêmea tem cores menos contrastantes, em tons de cinza. Essas rolinhas são assíduas frequentadoras de comedouros pois adoram quirera de milho.
Comprimento: 17 cm 
Nome Científico: Columbina talpacoti
Família: Columbidae
Reprodução: A fêmea põe 2 ovos chocados em torno de 12 dias.


 Casal alimentando-se de milho moído
 O macho é mais avermelhado e a fêmea mais cinzenta


Perto do tico-tico ( Zonotrichia capensis) que tem 15 cm, percebemos o quanto elas são pequenas.


Avistamento em Vila Seca, à tardinha do dia 26 de outubro

quarta-feira, 14 de outubro de 2015

Pica-Pau-do-campo


Nome Científico: Colaptes campestris (Vieillot, 1818)
Subespécie colaptes campestris campestroides (com garganta branca)
Família: Picidae
 Comprimento: 30 cm

 Espécie muito comum, facilmente encontrada ciscando no chão
 Fotografado no interior de Ana Rech


Nome Científico: Colaptes campestris (Vieillot, 1818)
Família: Picidae
 Comprimento: 30 cm
 O Pica-pau-do-campo possui o peito, o lado da cabeça e dorso do pescoço amarelos.
 O macho possui uma fixa vermelha em cada lado da cabeça, na fêmea a faixa é negra. O ninho é feito em troncos, buracos ou cupinzeiros. Alimenta-se de insetos em árvores ou no solo. 
Este possui a garganta branca, sendo da subespécie colaptes campestris campestroides