domingo, 20 de agosto de 2017

Beija-flor-de-topete-azul

Beija-flor-de-topete-azul
Nome científico: Stephanoxis loddigesii 
Família: Trochilidae

Dia frio e chuvoso de inverno. Um beija-flor diferente coleta néctar de flores minúsculas de uma liana.
video

É o belíssimo beija-flor-de-topete-azul, de apenas 8,5 cm. Um topete azul resplandece na sua cabeça, enquanto voa ligeiro cheirando cada florzinha. Percebe-se uma parte escura no seu peito iniciando no centro da gargante clara e aumentando até o abdômen e depois diminuindo, o dorso é esverdeado. Uma parte branca na parte anterior ao olho parece fazer parte deste.






As fotos são só para registro, pois não ficaram boas.


sábado, 19 de agosto de 2017

Tiriba


Tiriba



Nome científico: Pyrrhura frontalis (Vieillot, 1817)
Família: Psittacidae
Essa espécie de periquito é muito comum, os vemos em bandos atravessando os céus em grande algazarra. 
Essas aves verdes da família dos psitacídeos medem de 24 a 28 cm. Possuem a área ao redor dos olhos claras. A fronte, peito e parte inferior da cauda são avermelhadas. As rêmiges primárias são azuladas. Não possui dimorfismo sexual.


Alimentam-se de frutas, sementes, coquinhos, seu bico é adaptado para quebrar sementes.


As tiribas constroem ninhos em ocos de árvores, a postura de 3 a 5 ovos é chocada por 30 dias, os filhotes são alimentados pelo macho.

Há duas subespécies no Brasil:
Pyrrhura frontalis frontalis e a Pyrrhura frontalis chiripepe encontrada no sul do Brasil

Essas fotos foram registradas em Ana Rech, bairro de Caxias do Sul a tarde do dia 19/08/17. Um bando de mais de 10 indivíduos fez um grande alarde até pousarem num jerivá cheio de coquinhos.








 

segunda-feira, 14 de agosto de 2017

Tiê-preto

Tiê-preto  Tachyphonus coronatus
Família : Thraupidae


O dimorfismo sexual dessa espécie é bem acentuado, o macho é escuro,  parecendo azulado conforme a claridade do sol, as coberteiras inferiores das asas são brancas, possui uma crista vermelha escondida. A fêmea possui tons  ferrugem mais escuro nas asas e cauda conforme mostrado nas fotos abaixo:

Alimenta-se de insetos, frutos e flores, também frequenta comedouros de aves com quirera de milho.







Canário-da-Terra-Verdadeiro

 Canário-da-terra-verdadeiro -  Sicalis flaveola
Família: Thraupidae

 Admirada pelo seu canto, essa ave silvestre  é uma que mais sofre com o tráfico ilegal, crime federal inafiançável pela Lei de Crimes Ambientais (Lei 9.605/98). 
O canário macho é amarelado com extremidades das asas e cauda mais escuros, a fêmea e os imaturos são pardos com estrias no ventre. Medem em torno de 13 cm.






 Alimentação: Seu bico é perfeito para esmagar sementes, mas também alimenta-se de insetos. Frequenta comedouros de aves.



Corruira

Corruíra - Troglodytes musculus
 Ordem Passeriformes
 Família Troglodytidae
Corruíra em alerta





A corruíra é encontrada nas bordas das matas em áreas abertas. Adaptada a centros urbanos com vegetação, por isso a vemos saltitando em jardins e parques também.
Há 18 subespécies de corruíra.
Sua alimentação inclui insetos capturados com seu bico comprido.
Constrói seu ninho em uma grande diversidade de cavidades, não se intimidando com construções humanas, como caixas de luz, cavidades em muros etc.. Utiliza-se de gravetos e materiais industrializados como tecido e plástico para a elaboração do ninho, onde põem de 3 a 6 ovos.

sexta-feira, 4 de agosto de 2017