domingo, 27 de abril de 2014

Saíra-Viúva

Meio-dia, dia ensolarado de outono, friozinho já chegou. Próximo da mata um colorido de amarelo, azul claro e escuro saltita entre as folhas dos cipós e das árvores. Está alimentando-se. Pensei tratar-se de uma sanhaço de papa laranja, mas o pescoço é amarelo, descobri ser uma saíra- viúva, não se assusta com a aproximação, alimenta-se e pousa num  galho próximo. Em 24 de março de 2014.
Também chamada viúva ou viuvinha.


Nome Científico: Pipraeidea melanonota ( Vieillot, 1819)
Família:Thraupidae
Comprimento: 15 cm.
Plumagem: Peito e garganta amarelos, máscara do olhos preta, alto da cabeça em azul claro, asas e dorso azul mais escuro.
Alimentação: alimentam-se de frutos e insetos.
Reprodução: Ninhos feitos com musgos no alto das árvores.

Ocorrência: Ocorre em todo o Brasil.

terça-feira, 22 de abril de 2014

Gavião-Carijó

Gavião-Carijó

Esse nome deve-se a plumagem carijó do seu peito. O macho é menor do que a fêmea.
Nome Científico: Rupornis magnirostris
Família: Accipitridae
Comprimento: 30 a 40 cm.
Plumagem: Peito cor creme com listas horizontais mais escuras. Cabeça e dorso mais escuro com listas mais claras. Adultos tem plumagem diferenciada dos mais jovens. Estes possuem coloração carijó mais marrom, parte superior das asas mais escuras.
Alimentação: Ave de rapina, come insetos, pequenos animais, pequenas aves etc..
Reprodução: A fêmea põe 2 ovos incubados durante um mês, sendo alimentada pelo macho durante esse período.
Ocorrência: Encontrado em todo o Brasil. Encontrado em campos, perto da água, bordas de mata e  também em ambientes urbanos.

Maria - Faceira

A maria-faceira é uma garça com cores singulares, procura alimentos em regiões alagadas ou em terra recém arada. Encontra-se também em regiões secas. 

Essas aves, um casal, foram vistas por vários dias no final de tarde no mês de abril,próximo a Ana Rech,  foram fotografadas nos dias 22 e 23 de abril, numa área alagada, ao sentirem-se observadas voaram para outra parte do campo. 


Aves ariscas, se sentirem observadas, mesmo de longe, levantam voo.

Nome Científico: Syrigma sibilatrix
Família: Ardeidae
Comprimento: 50 cm
Plumagem: Fronte e nuca em um tom azulado puxando para o cinza. Região ao redor do olho azul clara, bico avermelhado com mancha escura na ponta. Pescoço e partes inferiores em tom amarelado. Dorso é cinza claro. Os jovens possuem cores mais claras.
Alimentação: minhocas, anfíbios, peixes, insetos
Reprodução: O casal constrói seu ninho de gravetos  no alto das árvores.
Ocorrência: Centro-oeste, sudeste e sul do Brasil. É encontrada em locais alagados e também em regiões secas.  

segunda-feira, 21 de abril de 2014

Juriti-pupu

Juriti-pupu


Seu nome origina-se do som que emite “pu pu”, facilmente ouvido no interior das matas, porém dificilmente observada, pois fica camuflada entre os galhos. Foi muito emocionante conseguir essas imagens, que aconteceu por acaso no final de tarde desse domingo, já tinha lido sobre o azulado ao redor do olho, mas está tem um tom ferrugem ao redor do seu olho, inconfundível com suas asas sem as marcas pretas de outras espécies! 
Nome Científico: Leptotila verreauxi
Família: Columbidae
Comprimento: 29 cm
Plumagem: O dorso é de tons de marrom, peito mais claro, cabeça cinza, a fêmea tem tons mais claros.
Alimentação:  são granívoros, pois a base de sua alimentação é sementes de plantas ou grãos.
Reprodução: Constrói um ninho frágil com gravetos, no chão ou em arbustos. Alimenta os filhotes com uma secreção do papo semelhante ao leite.

Ocorrência: Habita capoeiras, interior e bordas de matas.

terça-feira, 15 de abril de 2014

Mariquita

Nome comum: Mariquita
Nome científico: Setophaga pitiayumi
Família: Parulidae
10 cm 
Plumagem: Amarelo vivo no ventre e garganta. Azul nas costas. Uma faixa negra ao redor dos olhos e faixas brancas nas asas, percebe-se também branco  no crísso. 
Alimentação: Pequenos insetos, que também captura em pleno voo.
Reprodução: de agosto a novembro é seu período reprodutivo. Seu ninho fica no alto das árvores, bem escondido.
Ocorrência: Em toda a parte leste do Brasil, mas é mais encontrada no sul do Brasil.
Essa pequena ave é difícil de ser observada, pois além de ser pequeninha não pára quieta, pula de um galho a outro a procura de insetos, mas seu canto a denuncia!
Essa foi encontrada no inicio da tarde de abril, estava frio e ela ficou bastante tempo pelos galhos das árvores.





quarta-feira, 9 de abril de 2014

Tangara preciosa

Nome Científico: Tangara preciosa
Nome comum: Saíra preciosa

 Tangará alimentando-se de frutinhas

Família: Thraupidae
Comprimento: 15 cm
Plumagem: Possui peito azul claro, ponta das asas e cauda azuis com base creme. Cabeça e dorso bege. Os olhos são circundados por uma faixa negra. As fêmeas possuem o corpo esverdeado e a cabeça bege. Os filhotes possuem cores mais pardas.
Alimentação: insetos e frutas
Reprodução: Pode ter até duas ninhadas por estação com 3 ovos.

Ocorrência: Encontrado no sul do Brasil nas matas de araucária e bordas de matas.